A Pernod Ricard organiza, a partir de amanhã  e até 13 de junho, uma campanha chamada Responsib’All Day em 85 países para estimular o voluntariado entre os funcionários, reafirmar seu compromisso com o “consumo responsável de álcool” e incentivar a convivência na comunidade de cada cidade em que está instalada. No portfólio da companhia francesa há marcas como a vodca Absolut e o uísque Chivas, por exemplo.

Em 2012, explica Sirley Lima, diretora de sustentabilidade e responsabilidade social da Pernod, a indústria de bebidas assinou um documento chamado “5 Compromissos com a OMS” para reduzir o “consumo nocivo de álcool e comprometendo-se a atuar em cinco frentes. São elas: redução do consumo de álcool por menores; redução consumo de bebida e direção; reforço dos códigos éticos em marketing; obter suporte dos varejistas; promover informações ao consumidor e inovar de forma responsável.”

Na sede de São Paulo, por exemplo, na Vila Olímpia, os funcionários vão trabalhar como voluntários no próprio bairro, na rua Coliseu, em  iniciativas como “limpeza, pintura e organização do espaço comum, workshops, teatro, além de possibilitar que os moradores tirem documentos pessoais e façam exames médicos.”

Mas qual o impacto de uma ação de um dia na vida das comunidades? A seguir as respostas de Sirley Lima, enviadas por email:

 

Por que este modelo de ação?

O Responsib’All Day é o dia de responsabilidade social da Pernod Ricard que acontece desde 2011 e tem como finalidade promover o empoderamento dos funcionários sobre o tema “responsabilidade Social”. Desde o primeiro ano, a ação abordou o consumo responsável de álcool, no primeiro ano o foco foi “Álcool e Juventude” e nos anos seguintes foi “Os 5 Compromissos da Indústria”.

Em todos os mais de 80 países onde a Pernod Ricard tem operações, os funcionários paralisaram suas atividades para promover o “consumo responsável” e atuam da forma mais diversa: desde distribuição de panfletos em bares e restaurantes até a abertura das catracas do metrô – no ano novo de Toronto – para que os usuários pudessem voltar para casa em segurança (a Pernod pagava o ticket de metrô).

O impacto disso ao longo dos anos é bastante relevante, as ações deixam de ser pontuais e passam a se estender ao longo do ano com projetos mais robustos. No Brasil, temos o Na Medida – programa que tem como finalidade a realização de oficinas em escolas públicas de São Paulo e Rio de Janeiro sobre o consumo precoce de álcool já atingiu mais de 100 mil estudantes desde seu início, em 2011. Em 2016, teve inicio uma nova fase do programa abrangendo os pais e professores das crianças e adolescentes impactados. O programa é tão relevante que já teve o reconhecimento do Estado de São Paulo através do DETRAN-SP.

Porque a rua do Coliseu? Onde já foi feito antes no Brasil? Qual o impacto e resultados? 

Em 2016, o foco do Responsib’All Day mudou migrando da promoção do consumo responsável para um outro pilar: o suporte às comunidades de entorno para a criação de convivência. Desse modo, as várias unidades da Pernod Ricard no Brasil vão promover atividades com esse fim: em São Paulo, suporte a comunidade da rua Coliseu; em Resende e Suape, suporte e reconstrução de espaço em um Lar para Idosos.

A comunidade da rua Coliseu foi escolhida este ano tendo em vista que é vizinha do escritório da Pernod Ricard em São Paulo, mas quase imperceptível se considerarmos o fato dos moradores serem quase mil num espaço muito pequeno. A possibilidade de fazermos uma intervenção que realmente possa transformar a vida das pessoas e construir espaços onde elas (con)vivem motivaram a nossa escolha.

Um fato muito importante é que no dia do Responsib’All Day deste ano, a Pernod Ricard Brasil lança seu Programa de Voluntariado Corporativo e a comunidade da rua Coliseu fará parte da nossa plataforma ao longo do programa, ou seja, não será uma ação pontual mas, sim, uma ação permanente em conjunto com outras instituições.

​Poderia dar exemplos de outras ações pelo mundo?

​​- ​Em Paris, os 400 ​funcionários da sede vão transformar o local da antiga ferroviária Petite Ceinture, ajudando a promover o festival do Clignancourt “Danse sur les Rails” (Dance on the Rails) com uma pista de dança ao ar livre, a construção de móveis  ​​e estufas para o Jardim ​compartilhado do Ruisseau e ajudando com a construção do futuro espaço Hasard Ludique, um auditório e sala de estar localizado em na antiga estação ferroviária;

– Na Rússia, um “Summer set” com um a construção do ​palco aberto e terraço para um dos teatros mais antigos da região de Moscou – o Istra Drama theatre;

– Em Gana, os 19 funcionários irão renovar um centro de ação social em Accra, o Osu Community Centre;

– No Japão, casas e​ escritórios vazios em Tóquio será reconstruídos como um centro de convivência para a comunidade local;

– Nos Estados Unidos, os funcionários estarão dedicando seu tempo à última floresta de Manhattan, onde eles vão abrir uma trilha natural;

– No Canadá, os funcionários irão contribuir para a revitalização seus bairros em 13 cidades em todo o país: de renovações de ​centro comunitários a beira-mar até o plantio de hortas comunitárias​;

– No Uruguai, três casas pré-fabricadas serão construídas pelos 53 funcionários em Montevidéu para famílias necessitadas;

– Por último, o mais recente dos muitos exemplos no México envolverá os 450 funcionários transformando o local de ex-produção Los Reyes em um centro de ensino e aprendizagem, parte do qual será disponibilizado para uma ONG local, “Cauce Ciudadano”.