A joalheria nacional enfrenta desafios imensos não só no mercado interno. Os dados de exportação organizados pelo IBGM mostram uma queda de 32% em dólares entre janeiro e agosto deste ano comparado com os mesmos oito meses do ano passado. Caiu de US$44,3 milhões para US$ 30 milhões.

Ouro em barra, fios e chapas foi de US$1,3 bi para US$1,1 bi no mesmo período (-18%).  De todos os dados reunidos ( MDIC, SECEX,DECEX) somente diamantes em bruto cresceram 169%, de US$12 milhões para US$ 32 milhões ( +169%). “Provavelmente pela abertura da Lipari, uma mina na Bahia, um projeto totalmente correto do ponto de vista social e de sustentabilidade”, diz Écio de Morais, diretor do IBGM.  Trata-se da primeira mina da América do Sul desenvolvida a partir de kimberlito, “a rocha fonte primária de diamante”.

Quanto a queda nas exportações Morais avalia que a recuperação será muito mais lenta. “Uma vez perdido espaço no mercado internacional é muito mais complicado reconquistá-lo.” Ainda que a crise impacte nesse resultado, não é só joalheria brasileira que tem sofrido no mercado externo.

“É a migração da economia para a Ásia como acontece em outros setores. Veja a Itália, por exemplo, um dos berços do design. Lá o consumo de ouro para a fabricação de joias caiu de 225 toneladas em 2006 para 84 toneladas em 2015. Os Estados Unidos reduziram de 108 ton. para 66 ton.”

Enquanto isso, no mesmo período, “a China foi de 244 toneladas. para 580 t. E a Índia de 550 t. para 736 t.” O Brasil, por vez, reduziu de 17 t para 15 t a compra de ouro para fabricação. Em 2014, foi o melhor ano: chegou a 25 toneladas.

Com relação à China, destaca ele, a questão não é só volume. “Hoje, eles têm muita qualidade na produção. Já faz algum tempo que a disputa não é só por preço.”

Muito da produção da joalheria indiana fica no mercado doméstico, engrossando em especial os dotes de casamentos. Em 2015, foram 674 toneladas. Os chineses compraram 563 t e os EUA 140 t. No Brasil o último levantamento é de 2014: 20 toneladas.

*Este post foi originalmente publicado no Angela Klinke Report, newsletter com análises e notícias exclusivas do mercado de luxo e lifestyle. Para saber mais e se tornar um assinante escreva para angelaklinkereport@gmail.com